Pular para o conteúdo principal

Davi Caramelo na RV Galeria de Arte

Olhando para a instalação da nostálgica gaiola contendo uma lágrima vazia, talvez a senha do livro no varal, acredito ainda mais na existência do não-lugar e do não-tempo como confirmação do pertencimento, a exemplo destes dois jovens crédulos de um sonho único sendo desfragmentado.

Ecoa surround aos ouvidos de quem lê até em voz baixa os códigos secretos da poesia refinada de Ludmila Rodrigues pois já nos chega aos olhos em geometrismos casuais, colagens contrastantes com resíduos de preto, branco e memória no lirismo contemporâneo impresso por Davi Caramelo nas criações visuais cujas técnicas remixadas são como sinônimo da liberdade máxima.

E, assim como uma pinhole, imagino esta exposição como uma maneira de ver o mundo real através de uma caixa escura e sem lente para depois se revelar pausada e intimamente a cada um de nós. Não importa se a mão é invisível quando já está traçado e, neste caso também escrito, o destino da arte. 

Andrea May
(Setembro de 2013)

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhos & Silêncio de Juliana Bestetti

Sobre Sonhos & Silêncio somente Juliana Bestetti poderá nos falar, aliás, nos mostrar em desenhos de uma infinita delicadeza e poesia. Assim será sua primeira exposição individual, não à toa ocupando um café muito especial pela inteligencia aconhegante, o Café da Walter. A ocupação acontecerá em processo de montagem criativa no próprio espaço com prévia em abertura para convidados (14/01) e, posteriormente, aberta ao público sintonizado em idéias e atitudes legais como a do projeto Dominicaos (18/01). Juliana é quase uma personagem de uma lenda. Pequena e astuta, não dá pra medir ou dimensionar o quanto ama. Assim, transforma sentimentos em imagens que costuma dividir com todos nós. Logo, uma parede é um livro onde narra suas histórias com simbologias de traquitanas mentais que nem sempre é possível decifrar mas vale muito conhecer para entender que sentimentos nem sempre são tão óbvios. Isso sim, nos difere no cosmo. Caminhar paralelo nesse trabalho me fez and

A arte de Fábio Sampaio

A urbe-arte sinaliza para mais além. Lá, onde a iconografia do cotidiano pinta em setas, lembranças, carimbos, mensagens e uma outra escala de outros valores atravessam nosso decodificador interno que começa a piscar. Frente à obra de Fábio Sampaio, acusa que ela é simplesmente simples.  Sua pintura se resolve com poucos traços, economiza tinta, desliza como água, traz luz e certezas do que nos cabe bem em um mundo cheio demais. Representações gráficas quase oníricas se desprendem das superfícies claras e brincam com nossa memória feito cartas enigmáticas. Elas nos contam alguns segredos e nos fazem pensar na ressignificação do coletivo, das misturas das classes, dos anseios que se divergem e se conectam em objetos utilitários comuns a todos nós. Sobreposições abstratas se entendem bem com geometrismos; cores não são mais primárias; alegorias de uma vida sob a ótica do design popular imbricado ao pensamento lúdico; apenas alguns regimentos estéticos de um artista disciplinado na

Xilogravuras de Kiko Dinucci no LÁLÁ

Perceber a obra de Kiko Dinucci através do coração. Assim recomendo a leitura visual das xilogravuras aqui expostas. E deve-se ter um coração enorme nesta hora pois são sete sentidos, sete emblemas fortíssimos, sete motivos para entendermos a profunda relação da imagem no comando das emoções emanadas pela tradição revisitada, contendo traços de urbanidade nos grafismos que alto-contrastam com cores chapadas da cultura popular. Uma prática quase expressionista do universo deste artista que transita flutuante entre a música, as artes plásticas e a macumba, propondo em todas as três, uma interpretação pessoal intuitiva de vivência e crença interior que defende o irracional, o arrebatamento e temas ainda ditos como proibidos: o excitante, diabólico, sexual e perverso. Permita-se ainda viajar na idéia de pura conexão entre a temática e a técnica utilizada. O corte contundente na madeira reforçaria a idéia de gravar, impregnar com tinta e também multiplicar na memória