Pular para o conteúdo principal

Rodrigo Weill no LÁLÁ Multiespaço

Hipersensibilidade aflora o cérebro pela vertigem ocular no ambiente mais imersivo do LÁLÁ.


Ainda que se tente encontrar a síntese para o descritivo de uma obra-instalação nada é construído tão facilmente ao ponto de resumi-la em duas ou três palavras, principalmente quando esta invade um espaço múltiplo que cheira forte à construção de processos eternos, do corpo, alma e criação em coletivo.
Diria ainda que, adentrando este universo de frames cinematográficos e grafismos urbanos em movimentos ondulares dá para ver, até na luz do dia, projeções virtuais de hashtags subliminares que nos guiam às influências nítidas de Rodrigo Weill, o artista. Ele que parece amar tanto a Op Art, o Filme Noir, a Cultura Pop, o Surrealismo, a Glitch Art, tudo isso em loop, nos deixa livres para amar ou odiar cada centímetro da sua arte.
Pois, mesmo considerando que a sensação de pertencimento nos aproxima deste caos, ela pode também criar um bloqueio imediato pela desordem que aparenta porém, a verdade vai além das imagens quando podemos juntar tudo isso numa caixa, sacudir até explodir em fractais P&B sob reflexos sutis do prisma fluor de uma mente livre de preconceitos e outros medinhos.
Enjoy it!

Apenas uma visão por Andrea May, artista visual e curadora.
(Julho de 2014)

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhos & Silêncio de Juliana Bestetti

Sobre Sonhos & Silêncio somente Juliana Bestetti poderá nos falar, aliás, nos mostrar em desenhos de uma infinita delicadeza e poesia. Assim será sua primeira exposição individual, não à toa ocupando um café muito especial pela inteligencia aconhegante, o Café da Walter. A ocupação acontecerá em processo de montagem criativa no próprio espaço com prévia em abertura para convidados (14/01) e, posteriormente, aberta ao público sintonizado em idéias e atitudes legais como a do projeto Dominicaos (18/01). Juliana é quase uma personagem de uma lenda. Pequena e astuta, não dá pra medir ou dimensionar o quanto ama. Assim, transforma sentimentos em imagens que costuma dividir com todos nós. Logo, uma parede é um livro onde narra suas histórias com simbologias de traquitanas mentais que nem sempre é possível decifrar mas vale muito conhecer para entender que sentimentos nem sempre são tão óbvios. Isso sim, nos difere no cosmo. Caminhar paralelo nesse trabalho me fez and

A arte de Fábio Sampaio

A urbe-arte sinaliza para mais além. Lá, onde a iconografia do cotidiano pinta em setas, lembranças, carimbos, mensagens e uma outra escala de outros valores atravessam nosso decodificador interno que começa a piscar. Frente à obra de Fábio Sampaio, acusa que ela é simplesmente simples.  Sua pintura se resolve com poucos traços, economiza tinta, desliza como água, traz luz e certezas do que nos cabe bem em um mundo cheio demais. Representações gráficas quase oníricas se desprendem das superfícies claras e brincam com nossa memória feito cartas enigmáticas. Elas nos contam alguns segredos e nos fazem pensar na ressignificação do coletivo, das misturas das classes, dos anseios que se divergem e se conectam em objetos utilitários comuns a todos nós. Sobreposições abstratas se entendem bem com geometrismos; cores não são mais primárias; alegorias de uma vida sob a ótica do design popular imbricado ao pensamento lúdico; apenas alguns regimentos estéticos de um artista disciplinado na